13 agosto, 2007


E por falar em terras holandesas... um presente meu para vocês: um pequeno poema de Jacques Prévert, selecionado e ilustrado pelo holandês Wim Hofman, em mais um título da Cosac & Naify – Dia de Folga.

Para fazer o retrato de um pássaro


Primeiro pintar uma gaiola

com a porta aberta

depois pintar

qualquer coisa de bonito

qualquer coisa de simples

qualquer coisa de belo

qualquer coisa de útil...

para o pássaro

depois pendurar a tela numa árvore

num jardim

num bosque

ou numa floresta

esconder-se atrás da árvore

sem dar um pio

sem mover um dedo...

Às vezes o pássaro chega sem demora

mas pode também levar longos anos

até se decidir

Não se abater

esperar

esperar anos e anos se preciso

pois a rapidez ou a demora

do pássaro não têm nada a ver

com o sucesso do quadro

Quando o pássaro chegarse chegar

manter o mais profundo silêncio

esperar que o pássaro entre na gaiola

e quando entrar

fechar suavemente a porta com o pincel

depois

apagar uma a uma todas as grades

tomando cuidado para não tocar sem querer nas penas do pássaro

Fazer depois o retrato da árvore

reservando o galho mais belo de todos

para o pássaro

pintar ainda a folhagem verde e o frescor do vento

a poeira do sole o rumor dos insetos na relva no calor do verão

depois é só esperar que o pássaro comece a cantar

Se o pássaro não cantar

é mau sinal

sinal de que o quadro é mau

mas se cantar bom sina

lsinal de que pode assiná-lo

então você deve arrancar devagarinho

uma das penas do pássaro

e escrever seu nome num canto do quadro.

2 comentários:

Nóia disse...

Yay,

Que alegre.

:)

valentina disse...

Que belo post!